Terminologias/Nomes Técnicos Corretos e Normatizados em AUDIO DISTRIBUÍDO

Objetivo: Educação tecnológica, incentivo ao uso da normatização técnica, fomento a inovação e tecnologia para o mercado AV. 

As terminologias corretas em qualquer área do conhecimento são imprescindíveis para a especificação normatizada, adequação da linguagem correta na engenharia e arquitetura com mercado, evitando: impasses, retrabalhos, arranhar conceitos profissionais por desconhecer os nomes inerentes e certos tecnicamente, evita conflito com direitos autorais sobre termos que compõem nomes de patentes e marcas registradas, alem de fomentar a produtividade e padronização na integração, gestão e criação de produtos e serviços. No que tange ao segmento de áudio e Videoprojeção respeitar e ter ciência de terminologias certas não é distinto deste contexto.

Conceito: No inerente a Engenharia e Arquitetura o Audio Distribuído (distributed áudio) são sistemas de áudio (equipamentos ou dispositivos de som) para aplicação de música e voz, cuja paginação (distribuição) é composta por vários pontos de caixas acústicas instaladas espaçadas igualmente, projetados e implantados em locais como: locais corporativos, comercial, industriais, residenciais, em que consiste de um projeto implantado customizado tecnicamente com os ambientes do local, em que, cada ponto de som é espaçado igualmente para produzir o mesmo nível sonoro ou quantidade de decibéis – Pressão sonora – por ponto.

É fato com comprovação didática e técnica que “som“ é diferente de equipamento de som, som é uma onda mecânica longitudinal que se propaga em um meio elástico, equipamento de som é um equipamento eletroacústico.

O áudio distribuído pertence ao tipo de instalação predial e residencial denominado de instalação fixa de áudio (Fixed áudio installation).

As linhas de caixas acústicas para áudio distribuído são classificadas e possuem as terminologias:

  • Caixa acústica externa ou caixa acústica de sobrepor de 3 a 8 polegadas
  •  Caixa acústica de embutir  de 3 a 8 polegadas
  •  Caixa acústica esférica para locais com pé direito alto.
  • Caixas acústicas de embutir ativa
  • Caixa acústica externa ativa

Os amplificadores e processadores de áudio para áudio distribuídos possuem as terminologias:

  • Amplificador de áudio 70 v/100 v
  • Amplificador de áudio multizona
  • Amplificador de áudio Multiroom digital
  • Amplificador de áudio integrado 70 v Bluetooth, USB.
  • Receiver Multimedia: USB, Bluetooth, SD FM
  • Multiroom digital com recursos de automação.
  • Speaker distribuidor para áudio distribuído.

Que são terminologias normatizadas corretas para esta linha de caixas, todos que respeitam normas técnicas usam essas terminologias.

O tipo de customização (integração) da instalação do áudio distribuído no local pode ser com:

  • Caixas acústicas de embutir – customizada com o forro seja gesso ou acústico
  • Caixas acústicas externas – Fixadas na alvenaria (parede, pilar) com suporte.
  • Caixas acústicas em formato especial: pedra, vaso de planta, tronco, cogumelo, esférica, pendente (pendent speaker) – São caixas em formato especial para atender ambientes externos como: jardins, áreas externas, piscinas, sacadas que integram e se misturam com o desing do ambiente formando uma harmonia e compatibilização perfeita.

Caixa acústica embutida totalmente na alvenaria – São caixas especiais que são instaladas no interior da parede, permitindo customizar e embutir dentro do revestimento não sendo visíveis, integrando completamente com ambiente, tecnologia mais recente em áudio distribuído.

Os vários tipos de caixas acústicas para áudio distribuído
Projeto de Audio distribuído para varias Zonas.

A reprodução das imagens desse artigo é feita com o permitido no Art. 46 Inc. VII da Lei 9610/98.

Há ainda no mercado os kits de áudio distribuído (distributed áudio kits) destinado a locais menores normalmente até 200 m2 que são compostos de: amplificador Multiroom também chamado multizona, jogo de caixas acústicas de embutir ou jogo de caixas acústicas externas, alguns amplificadores já vem integrados com recursos de players multimídia: USB, SD, Bluetooth, FM.

KIT DE AUDIO DISTRIBUÍDO.- MULTI ROOM OU MULTIZONA


kIT DE AUDIO DISTRIBUÍDO

Inerente a Engenharia eletroeletrônica de projetos o áudio distribuído no design de projetos pode ser projetado com os sistemas:

Inerente ao tipo de linha de transmissão:

  • Linhas de alta impedância (25 v, 50 v, 70 v, 100 v, 200 v) para grandes ambientes
  •  Linhas de baixa impedância: 4 Ω, 8 Ω, 16 Ω pequenos ambientes.

Inerente à tecnologia de fabricação dos equipamentos de áudio:

  • Projeto com amplificadores e processadores de áudio digital, tanto o hardware quanto o fluxo do sinal,
  • Projeto com amplificadores e processadores de áudio digital Networking com protocolos de conexão de comunicação (Dante®, cobranet®, AVB, Blu Link etc),
  • Projetos com amplificadores e processadores de sinal analógicos, este está dentre o mais comercializado devido ao custo,
  •  E atualmente apenas em aplicações Hi End. residenciais, com amplificadores e processadores valvulados.
AMPLIFICADOR DE AUDIO DIGITAL DSP
AMPLIFICADOR DIGITAL NETWORKING

A linha de áudio distribuído esta dentro do segmento de áudio comercial (commercial áudio), este ultimo engloba todos os tipos de instalação para locais corporativos: instalação para musica de fundo e voz, auditórios, teatros, cinemas, salas de conferencia, salas de reunião do futuro, sistemas de alta voz comercial e industrial etc.

A seguir a aplicação em um projeto Premium de áudio distribuído em uma residência com a terminologia correta dos dispositivos.

Ao usar indevidamente uma terminologia que pertence a um produto ou empresa concorrente, coloca-se em risco todo o diferencial de fabricação de um produto ou o diferencial de um serviço, todos perdem, visto que um produto ou serviço de alta qualidade terá o mesmo nome que um produto ou serviço simples ou básico, perdendo também o consumidor.  É o caso que acontece hoje no mercado com as caixas acústicas de embutir, em que uma caixa acústica de embutir Premium de alta qualidade, leva o errôneo nome de linha ou segmento igual de uma caixa acústica básica, imputando conceito técnico errôneo prejudicando também os fabricantes e fornecedores de caixas premium, sendo que as caixas de embutir básicas não seguem normas e nem o selo do fabricante colado no ima do alto falante algumas possuem, por ser um produto que deforma mais rápido

É do conhecimento técnico de qualquer engenheiro ou arquiteto especialista em áudio que em um local, também chamado tecnicamente`zona“ (ambiente) inerente a instalação de áudio, comporta vários tipos de sistemas de áudio (som): áudio distribuído para musica de fundo e voz, áudio para conferencia, sistema de som mecânico, som ao vivo, sistema de som profissional, sistema de som Hi End etc, tudo dependerá da aplicação e necessidade do usuário, não cabendo rotular tecnicamente um ambiente e ir com a manada que não respeita norma técnica nem terminologia como se não utilizasse o cérebro, em que em um local (ambiente), comporta apenas caixinhas de embutir especadas e estas são sempre em baixo volume, cometendo um disparate contra marcas Premium AV de tecnologia que são capazes colocar em um local qualquer tipo de projeto com a pressão sonora que o cliente deseja! A comprovação técnica na engenharia é fácil: Se fosse esse o conceito correto, que dizer que, em um local ou zona de 16 metros quadrados de área, não pode ser colocado um sistema de áudio que produza um ensurdecedor SPL de 150 decibéis? este local não é um tipo de ambiente?.

Conclusão: Quem pratica qualidade e inovação tecnológica na sua linha de produtos e serviços, aplica sempre as terminologias técnicas normatizadas de forma tecnicamente correta, ou criam seu nome de linha de produto ou serviço, que em geral constituem em um sucesso, exemplo: se disser as terminologias de nomes de linhas de produtos: Gshock®, Vaio®, Bluetooth®, todos saberão o que é, imagina se estes fossem apenas mais uma bola de isopor na multidão da web e marketing e se limitasse a copiar um concorrente para um nome de sua linha de produto, se seria sucesso… é fato que produtos e serviços de qualidade constituem objeto de desejo dos consumidores frente a sua solução inerente, em que possuem personalidade técnica para atrair por si seus potenciais clientes, para falarem por si impondo no mercado acima de seus concorrentes, fomentam a marca do fabricante, e constituem um sucesso para o mercado e detentor da respectiva linha de produto ou serviço. E estes últimos não precisam infringir os direitos autorais de outro fabricante ou concorrente copiando ou colocando na sua linha de produtos ou serviços nome similar ou copia-los.

Eng. Luiz Reis Lana

Engenheiro e graduado em Tecnologia da Informação, matemática, especialista em soluções AV. Pro.

www.somambiente.com

O QUE REPRESENTA A SIMBOLOGIA DA MARCA SOM AMBIENTE®?



Uma marca é um sinal distintivo para caracterizar um produto, serviço ou ambos, e é desta forma que a marca Som Ambiente® foi formada e deferida devido a sua distintividade tanto nominativa quanto figurativa – ou seja, conjunto imagem.  

Esta imagem tem um texto alternativo em branco, o nome da imagem é image-4.png

Inicialmente o símbolo que contem 8 partes, cada parte representa os segmentos de atuação em Audio da empresa: Projetos, Automação, Home theater, Car áudio, Audio Pro, Manutenção, Instalação, Tecnologia,  atualmente Tecnologia da Informação x Engenharia, durante muitos anos um dos slogans da Som Ambiente foi “Tecnologia em serviço``, havendo um blog com esse nome: som ambiente tecnologia. Na década de 80 o slogan foi “ Som Ambiente o alto nível do Som“.

No símbolo da marca o formato em C, representa uma Corporação/companhia que oferta soluções para Audio de Casa, Carro, Cinema (por cinema entende: cine teatro, conferencia (salas), centros de treinamento e reuniões etc.).

Os símbolos em forma de C representam ainda os valores principais da empresa: Credulidade, competência, conhecimento, alem de ser inicial de Cavaleiro lutador guerreiro vencedor. O atual slogan da Som Ambiente® é Art in Services and Knowledge of Sound!“.

O conjunto do símbolo que é um alto falante funcionando, representa o resultado pleno de todo o trabalho em áudio no mercado, devido a isto trabalhamos apenas com serviços e produtos que possuem normas técnicas, você pode ter o melhor equipamento ou o melhor serviço em áudio se não tiver resultado na reprodução final que é o que sai no alto falante não adianta, alem do mais o som do alto falante se difunde em 360º onde foi transmitido a ideia de acompanhar o mercado globalizado, com Conhecimento e Capacitação em varias direções da Engenharia de Audio, proporcionando solução ao cliente no segmento: Residencial, Empresarial e Automotivo, demonstrando forte diferencial competitivo técnico.  

O restante com a expressão “som ambiente“, parte nominativa,  com o traço acima da palavra “SOM“ e da palavra “AMBIENTE“ representa, que a Marca Som Ambiente® cobre todo o segmento de áudio (Audio profissional, Audio Residencial, Audio Automotivo), ou seja: tudo ligado a som cobrindo todo tipo de ambiente, sendo uma empresa Full Audio Service, que é o segmento de atuação, como pode ser visto claramente em nossas redes sociais como o Instagram, Facebook, Flicker.

O retângulo em volta do conjunto da logomarca, unindo a expressão Som Ambiente com o símbolo que representa seus segmentos, retrata e demonstra a especialidade da marca Som Ambiente® nas oito áreas de atuação de Audio, pois em um determinado ambiente pode comportar vários tipos de sistemas de som: projetos para musica ambiente, Som ao vivo, Som instalado com equipamentos profissionais etc.

Rede CAN – Control Area Network

Rede CAN – Control Area Network

A rede CAN faz-se presente em quase todos os Automóveis, veículos de tecnologia embarcada, e outros meios de transporte. Sendo de suma importância para o profissional de Engenharia e manutenção automotiva entender seu funcionamento, e inteirar-se com as tecnologias onde  e aplicada a Rede CAN.

O especialista da Som Ambiente®,  em 2009 Eng. Luiz Reis Lana publicou o artigo a seguir que contribui para uma lacuna de informação existente sobre esse tema, devido a complexidade do conteúdo.

Veja o artigo a parte I e II do artigo na integra publicado na Revista automotivo Edições 24 e 25 de 2009 replicadas abaixo.

Rede CAN Parte I:

Inversamente como acontece com muitas tecnologias, onde primeiro inicia-se o uso massivo para depois ir para o automóvel, a rede CAN – (ou barramento Controller Area Network nasceu para uso inicial em automóveis e hoje já conecta diferentes dispositivos em diferentes áreas e  situações, migrando para outros meios em virtude de sua robustez, performance e diferentes meios e formas de aplicações.

Controller Area Network – a rede CAN  para automóveis é um protocolo de comunicação serial síncrono onde as mensagens trocadas entre os módulos no veículo (dispositivos ECUs, multimídia, navegação etc) operam em sincronia. foi idealizada em 1983, onde houve à partir daí, em virtude de suas características, vastas aplicações e funções:  aceitabilidade maciça e apoio pela indústria automobilística, apoio de grandes nomes da indústria de automação e em outros segmentos como por exemplo: Intel e Philips, e ainda onde é aplicada, a eletrônica embarcada – termo que designa  um sistema eletrônico montado em uma aplicação móvel; que pode ser: um automóvel, barco, navio ou avião. A  rede CAN é altamente utilizada  onde exige-se confiabilidade em virtude de envolver vidas humanas como em equipamentos médicos, em elevadores, automação de fábricas e por isso ela é amplamente e cada vez mais hoje,  utilizada para automóveis, onde equipamentos microprocessados e microcontrolados como: centralinas, ECU (unidade eletrônica de controle – que recebe, controla, processa dados e realiza funções), Interfaces Homem Máquina, centrais de comando, cds com comando de bordo  e uma infinidade de outros que precisam se “comunicar e conversar” entre si no veículo. Uma ECU, possui hardware e software que proporciona a leitura dos dados, permitindo controlar dispositivos e realizar funções.  A rede CAN – é uma rede de troca de dados, não é atualmente utilizada somente em automóveis pelas montadoras , certamente morando-se em um grande centro já utilizou uma hoje em: elevadores, metrôs, máquinas de tecelagem, máquinas de empacotamento etc. Estas diferentes aplicações da rede CAN se dão graças à sua confiabilidade de transmissão onde há garantia de 100% de eficiência no tráfego de dados entres as ECUs e dispositivos que interage. Algumas características desta rede são:  –  capacidade multi-mestre: onde os módulos podem se tornarem mestres em determinado momento e escravos em outro,     –  capacidade multicast:  sendo qualquer mensagem enviada para todos os módulos existentes na rede simultaneamente, – trabalha com freqüências  até 1 Mhz., – comprimento do chicote no veículo até 40 metros, – velocidade de transmissão inversamente proporcional ao comprimento do barramento, – cada bit (0 e1) é transmitido por um valor de tensão específico e constante.

A figura 1 e a Figura 2 mostra a linha do tempo inicial e importância da rede CAN

Topologia de instalações com Eficiência energética

Garantir que uma instalação seja segura o suficiente para permitir operações satisfatórias e que tenha capacidade suficiente para as necessidades existentes normalmente é suficiente para a maioria das instalações. Algumas instalações, com operações críticas de segurança, também é essencial ser considerado a resiliência desta para evitar pontos únicos de falha e fornecer continuidade do sistema. Isso significa que, até há relativamente pouco tempo, o modelo tradicional de uma hierarquia de projeto de instalação elétrica é o que foi prevalecido

Sistema sem eficiência energética:

A eficiência energética atualiza a hierarquia do projeto e afeta o funcionamento das instalações elétricas. A hierarquia de design de projeto tradicional mudará para essa topologia:

Deverá mudar, focar e dar ênfase para a eficiência energética nos projetos de instalação elétrica, Telecom, Sonorização, colocando-a como um pré-requisito, não como um complemento que não possui relevância.

Os Projetos futuros de instalação elétrica precisarão do nível de segurança e capacidade necessários; para serem considerados eficientes e condizentes, eles também exigirão o menor consumo de energia possível.

Uma instalação elétrica com eficiência energética possui e proporciona:

  • Tem menos impacto ambiental em geral;
  • Reduz as perdas de energia e reduz os custos de energia;
  • Usa energia quando é necessária e potencialmente geram uma tarifa mais baixa;
  • Pode ter manutenção menos reativa devido à perda de calor; e
  • Otimiza o desempenho do sistema ao longo de seu ciclo de vida.

 Designers de projetos elétricos devem considerar estes fatores:

  • O posicionamento eficiente da tomada elétrica;
  • A eficiência do sistema de fiação de distribuição elétrica;
  • O tipo de controles para evitar o uso desnecessário de cargas;
  • Como e onde fornecer medições de energia;
  • Como e que tipo de carga pode ser desligada sem afetar a segurança, a função ou o conforto do usuário;
  • Gerenciamento de energia de sistemas elétricos; e
  • O impacto da manutenção na eficiência dos sistemas elétricos;

Requisitos de concepção

O primeiro requisito de design e projetista de soluções é enfatizar a importância de compreender o perfil energético das medidas passivas e ativas tomadas no edifício:

  • Ativo: medidas para a otimização da energia elétrica produzida, fornecida, fluida e consumida.
  • Passivo: medidas para a escolha de parâmetros de equipamentos elétricos para melhorar a eficiência energética geral da instalação elétrica, sem afetar os parâmetros iniciais de construção.

O segundo requisito de projeto é reduzir as perdas de energia dentro da instalação elétrica por dois métodos principais:

  • A localização de qualquer fonte de energia (consumo convencional de alta tensão (AT) ou baixa tensão (BT), geração local e central telefônica) deve ser otimizada sempre que possível.
  • A redução de perdas dentro do sistema de fiação da instalação é importante. Alguns critérios de projeto serão entendidos em termos de queda de tensão, mantendo a qualidade da energia e melhorando os fatores de potência. Outras considerações em termos de harmônicos, geralmente causadas por dispositivos de usuários finais, podem causar ineficiências operacionais. A questão dos harmônicos causados ​​por novos equipamentos em infraestruturas de distribuição elétrica mais antigas é um motivo de preocupação crescente.

O padrão IEC é uma estrutura de projeto para uma instalação elétrica com maior eficiência energética.

O resumo do projeto do cliente deve estipular o nível exigido de medidas de eficiência de energia a serem aplicadas a uma instalação elétrica por categoria.

Por Eng. Luiz Reis Lana.

Carro Conectado – Smart Car

O que é:

Com a interação de tecnologias aplicáveis ao áudio vídeo e multimídia para automóveis, em conjunto com aplicações da Engenharia de software e interfaces homem maquina, temos hoje um completo computador sobre rodas!

Os  Automóveis conectados proporcionam interação e controle total com: acesso internet, connect home,  Wi-fi, diagnóstico em tempo real, sistemas de controle de tráfego em tempo real, sistemas de Navegação, intercambio de dados com Laptop, controle das funções de conforto (temperatura, luminosidade  etc) em tempo real, além de full interação com Smartfones e tabletes.

Os Automóveis que funcionam quase completamente como uma unidade de recursos de tecnologia embarcada autônomos, irão criar novos paradigmas, revolucionar a indústria automobilística, salvar inúmeras vidas devido a serem capazes de reduzir drasticamente os acidentes, o que consequentemente reduzirá significativamente o  custo de seguro para automóvel, contribuirão com o meio ambiente pois são  totalmente ecológicos, e tendem a serem completamente autônomos dispensando o motorista. Veja aqui um desses veículos sendo utilizado por uma companhia de taxi em fase de teste nos Estados Unidos.

Já não é novidade, ouvir seu Streaming de música ou vídeo, (Spotfi por exemplo) em seu player multimídia esteticamente harmonizado com a arquitetura e painel do seu veículo que alem disto realiza um sem numero de funções integradas com as funções do veículo como informações de temperatura do ar, informações de bordo, Rede Can bus etc.

Para você obter um sistema de sonorização e Multimídia  em sistemas embarcados de qualidade é necessário valer-se de produtos com tecnologia de ponta, que preferencialmente usam componentes Premium, que proporcionam excelente vida útil, preferencialmente que não sejam de tecnologia proprietária para não perder em curtos anos seu investimento, valendo-se de especialistas para suporte técnico.

Os dispositivos e acessórios dos veículos conectados que utilizarem em sua construção componentes genéricos não normatizados sem segurança em sua fabricação, constituirá em um infindável transtorno para seus proprietários, visto que serão dispositivos que contêm diversas tecnologias porem com vida útil curta, dificuldade de manutenção e reposição de itens, igual acontece com multimídias genéricas customizada que na pratica é “tipo original”, porem não possuem suporte, reposição de peças, rede de serviços,  levando o usuário a desistir do veículo devido a ser integrada ao painel. Isto pode vir a ocorrer com diferentes acessórios ou até mesmo dispositivos vitais ao funcionamento do veículo.  Daí a importância de discernir entre dispositivos fabricados por marcas de renome que atendem as Normas e certificações vigentes em cada País.

Frente a velocidade da internet das coisas, para o especialista profissional em veículos conectados é imperioso uma boa formação superior de especialização, sintonia permanente com as novas tecnologias que estão em evidencia,  domínio de engenharia eletrônica alem de robustos conhecimentos de TI. Esta última caminhará lado a lado com a Engenharia Automotiva e outras disciplinas nos próximos anos.

Por Luiz dos Reis Lana – Som Ambiente®